quarta-feira, 16 de setembro de 2009

AS AUTO-OBSESSÕES

Você sabia que pode estar sendo vítima da auto-obsessão? Nem sempre os processos obsessivos têm sua origem na persistência que outros espíritos exercem sobre nossa vontade. Veja o que diz este texto que recebi do Grupo Espírita Peixotinho

"Obras Póstumas, item 58:
As contrariedades, que mais comumente cada um concentra em si mesmo,sobretudo os desgostos amorosos, fazem cometer muitos atos excêntricos que se estaria errando em levar à conta da obsessão. Freqüentemente, pode-se ser obsessor de si próprio.

4-Conceito de auto-obsessão
Na auto-obsessão, é a própria mente em torvelinho que gera um verdadeiro estado de desequilíbrio patológico, de inadequação aos desafios cotidianos ou de comportamento imaturo a expressar o lamentável estado de penúria espiritual em que o estagiário terreno ainda se encontra

5. Causas mais freqüentes das auto-obsessões
O homem, ante as solicitações costumeiras e os mais variados desafios existenciais, nem sempre se conduz com a dignidade e o equilíbrio desejáveis. Inebriado com os ouropéis da vida e, profundamente arraigado às viciações milenares que embrutecem o espírito, ora se deixa influenciar por impulsos primários, como a inveja, o egoísmo, a luxúria e o ciúme coléricas, motivadas pelo cultivo prolongado da irritabilidade e da impaciência.
Na qualidade de autêntico enfermo da Alma, facilmente descontrola-se e comete atos de agressividade no trabalho, no trânsito e, infelizmente, na intimidade do próprio lar. Ofende aos seus entes queridos de maneira desnecessária, cria situações de constrangimento e tristeza e, às vezes, até de revolta entre os familiares, contribuindo, por fim, para a implantação da desarmonia doméstica por períodos bastante prolongados

6. Causas complexas das auto-obsessões
Mais adiante identificamos aquelas criaturas dotadas de uma personalidade menos estruturada e fragilizada em suas bases psicológicas. Revelam-se indecisas e sem vontade firmada.
Habitualmente, diante da lida rotineira, se deixam enredar nas malhas de múltiplos desajustes por alimentarem insistentemente a terrível sensação de medo e insegurança, de uma forma obsessiva, chegando, mesmo em alguns casos, a desenvolverem complicada distonia mental, conhecida como Síndrome do Pânico, nem sempre bem equacionada pelos métodos terapêuticos tradicionalmente utilizados. São situações chocantes e bem caracterizadas, nas quais despontam os angustiados de todos os matizes, infelizes e sofredores por antecipação.

Tal contingente de auto obssidiados faz da preocupação exagerada a sua rotina de vida e, em meio ao desgastante comportamento neurótico, alimentam o temor de doenças imaginárias, o receio infundado com o bem-estar dos filhos, ou a idéia de que a qualquer momento,perderão os seus bens materiais.
Formam o imenso exército de neuróticos crônicos, muito embora, por se acomodarem à situação vivenciada, pouco se esforcem para suplantar os maus pensamentos, as idéias hipocondríacas e as atitudes obsessivo-compulsivas, preferindo estagnarem na inércia moral a que habitualmente se entregam."

Amigo(a) querido(a), talvez você tenha se identificado em alguma dessas situações (e a maioria de nós sempre nos encaixamos em algumas delas). Busque ajuda, se esclareça sobre o que te acontece à luz dos ensinamentos espíritas, reúna as bases para a tua educação íntima, mude de sintonia, recorra à prece, não se entregue. Esta existência é uma página em branco que Deus te dá, prá que você reescreva a tua própria história. Não desperdice.
Se podemos ser nosso próprio algoz, também depende de nós a libertação.

Um abraço carinhoso.

4 comentários:

Postar um comentário

Nós sempre precisamos de amigos.
Gente que seja capaz de nos indicar direções, despertar o que temos de melhor e ajudar a retirar os excessos que nos tornam pesados.
É bom ter amigos.
Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos.

Seja sempre bem vindo, amigo(a).