quarta-feira, 23 de junho de 2010

SEXO E PRECONCEITOS - PARTE 1-3


Em matéria de preconceito, inicialmente, cumpre estabelecer a sua definição, que consiste em opinião ou conceito formado antecipadamente, sem maior ponderação ou conhecimento dos fatos. Também, julgamento ou opinião sem levar em conta argumentos contrários.


O preconceito manifesta-se na sociedade contemporânea sob diversas faces entre elas as  abordando mulheres, raças, idosos, obesidade, baixa estatura, anti-semitismo, deficientes, migrantes e entre eles preconceitos relacionados com sexo.

Geralmente, posturas e preconceitos estabelecem-se, em uma maioria, em relação a um grupo de minoria e têm origem na nossa ignorância sobre a diversidade característica de um mundo de provas e expiações como o nosso.

No nosso atual estágio de progresso, a diversidade gera diferenças de corpos, situações sociais, econômicas e regionais etc. tendo em vista as diferenças que existem em relação a graus evolutivos entre espíritos que formam a nossa humanidade espiritual.

A igualdade manifesta-se no processo da criação e as diferenças decorrem das várias fases do nosso progresso até que, em estágios de maior evolução, a semelhança entre espíritos acentua-se gradativamente pelo entendimento das Leis Divinas e consciência da necessidade de seu cumprimento estabelecendo uma rota única através do universo.

Preconceitos geram dor, sofrimento e reencarnações compulsórias em grupos de minoria, vítimas no passado da nossa ignorância gerando a necessidade de educação e desenvolvimento da eqüidade nas relações humanas em geral.
Face aos nossos semelhantes, forçoso admitir que não somos todos iguais, seja em relação ao espírita, seja em relação à matéria.
Entretanto, eqüidade significa essencialmente que, respeitadas as diferenças que existem entre os seres humanos, todos temos direitos iguais.

A sexualidade, na visão espírita, assume dimensões universais, pois caracteriza a energia sexual como sendo à base de criação do espírito em todos os planos de vida.
No “O Livro dos Espíritos” em resposta à questão: “Os espíritos têm sexo?” A questão esclarecem os espíritos que: “Não como entendeis, porque os sexos dependem da constituição orgânica...”
Referem-se os espíritos à visão limitada de sexo que desenvolvemos quando encarnados concentrados no ato biológico.

Entretanto, à luz da Doutrina Espírita – “A obra do universo é filha de Deus. O sexo, portanto, como qualidade positiva ou passiva dos princípios e dos seres é manifestação cósmica em todos os círculos evolutivos, até que atinjamos o campo da harmonia perfeita, onde essas qualidades equilibram-se no seio da divindade.”(Missionários da Luz, André Luiz).

O condicionamento criado pela mídia, leva-nos a situar o sexo exclusivamente nos órgãos sexuais. Entretanto o sexo neste sentido restrito é apenas uma das inúmeras manifestações da energia sexual que “... é princípio universal e acha-se inserido em toda a manifestação do universo.” (Missionários da Luz, André Luiz).

As energias sexuais são à base da criação do espírito em todos os planos de vida e em todos os períodos de desenvolvimento da matéria orgânica durante a reencarnação.
As funções sexuais determinam não só os trabalhos em geral, as obras de todos tipos (artísticas, científicas, sociais etc.), como também a permuta de energias positivas entre seres que se amam e o ato sexual do ponto de vista biológico – este último apenas como uma das
formas de sua manifestação.

Fundamental desmistificar o sexo que significa “... o esforço para compreender a força sexual, a fim de usa-la com dignidade e proveito próprio. “(Amor, Casamento & Família. Jaci Regis).
Na visão espírita, sexo define-se como “... atributo não apenas respeitável, mas profundamente santo da natureza, exigindo educação e controle.” (Vida e Sexo. Emmanuel).

Por educação e controle, significa o exercício das funções sexuais entre as quais a biológica dentro do princípio moral básico do “amar ao próximo como a nós mesmos” refreando os nossos impulsos e buscando os laços de afetividade e lealdade que devem estar presentes em todas as relações humanas e principalmente na relação sexual que estabelecemos no nosso campo de vida.

A ausência de educação sexual leva ao preconceito que desenvolvemos em relação às pessoas que adotam comportamentos sexuais diversos dos nossos, na ignorância de que a diversidade faz parte da natureza de um mundo imperfeito de provas e expiações.
Observamos presentes, na criança e no jovem, os sentimentos homofóbicos que geram perseguições e violência contra homossexuais e prostitutas o que não se justifica a não ser pela nossa ignorância.

A ciência, em geral, busca explicações sobre a homossexualidade sem encontra-las seja na genética, sociologia ou psicologia.
À luz do espiritismo, as causas do homossexualismo, em todas as suas formas, são diversas. Entre elas, a paridade sexual pela presença do espírito em sucessivas reencarnações no mesmo sexo.

Os desvios da presente encarnação de crianças por adultos do mesmo sexo e a que nos parece mais comum que é uma reencarnação de contenção no homossexualismo devido à tendência aos abusos verificados em reencarnações anteriores na heterossexualidade.




Artigo de Wlademir Lisso, Diretor da Área Federativa e do Departamento de Assistência
Espiritual da Feesp.

0 comentários:

Postar um comentário

Nós sempre precisamos de amigos.
Gente que seja capaz de nos indicar direções, despertar o que temos de melhor e ajudar a retirar os excessos que nos tornam pesados.
É bom ter amigos.
Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos.

Seja sempre bem vindo, amigo(a).